7 Tramas Básicas para a sua história e para a sua marca:

Fonte: Future Learn, com base no livro de Christopher Booker

Se você já leu alguns dos meus textos ou assistiu aos meus vídeos, é provável que já tenha me visto falar que – no fundo, no fundo – existe apenas uma única história contada milhares de vezes:

Alguém quer alguma coisa e precisa superar obstáculos para conseguir.

Embora eu realmente acredite nisso, também admito que essa é uma forma de simplificação extrema. Ela é muito útil para pensar na essência da sua história, mas algumas pessoas podem encontrar dificuldade em avançar quando suas tramas começam a ficar um pouquinho mais complexas.

Pensando nisso, diversos autores ao redor do mundo trabalharam no desenvolvimento dessa história primordial até alcançarem algumas tramas-mestre que, teoricamente, dão o caminho das pedras.

Se você está criando uma história, com certeza ela se encaixará em alguma dessas opções. Pelo menos é o que eles dizem.

Já vi por aí livros que falavam de 50 tramas básicas, 20, 10 e assim por diante. Mas, ao fazer um curso sobre Brand Storytelling, acabei me deparando com o conceito criado por Christopher Booker de 7 Tramas Básicas Para Marcas.

Embora o conteúdo seja mais voltado para a publicidade, decidi traduzir o material e dividir com vocês. Acredito que seja útil para todo contador de histórias!

Então, aqui vão as Sete Tramas Básicas Para a Criação de Histórias:

1. Superar o Monstro

Há uma força do mal que ameaça o nosso herói / seu mundo / a humanidade. O herói deve lutar e matar esse monstro, coisa que nem sempre é fácil, mas ele sai triunfante e recebe uma grande recompensa. Pense em Beowulf, Dracula eKing Kong.

Vemos esta trama surgindo de vez em quando no mundo da publicidade. Pense no “monstro” como um obstáculo (muito raramente um monstro real!) que o herói precisa superar, geralmente com a ajuda de uma marca.

2. Da Miséria à Riqueza

Esta trama é bastante auto-explicativa: no início, o nosso herói é insignificante e inferiorizado em relação aos outros, mas algo acontece e ele se eleva, mostra-se como um ser excepcional. Pense em O Patinho Feio, Aladdin eSuperman.

Em termos de marketing, como a descoberta de um produto / marca poderia elevar alguém, transformando a sua vida?

3. A Busca

Na Busca o nosso herói precisa partir em uma viagem longa e perigosa e vai enfrentar todos os obstáculos até que triunfe. Pense em O Senhor dos Anéis, O Mágico de Oz e Harry Potter.

Na publicidade, podemos ver o nosso herói canalizando os valores da marca conforme ele procura fazer o bem e atingir seus objetivos.

4. Viagem e Retorno

Embora também com base em uma viagem, este tipo de trama é muito diferente da Busca. Aqui, o herói viaja para fora do seu “mundo normal”, rumo a um lugar desconhecido e perigoso. Ele deve então escapar e voltar para a segurança de sua casa. Pense em Alice no País das Maravilhas, Procurando Nemo e As Viagens de Gulliver.

Como uma marca poderia levá-lo para um outro mundo? Você consegue representar a experiência de um produto através de uma viagem?

5. Comédia

Uma história feita de acontecimentos cômicos, normalmente envolvendo troca de identidade, mal-entendidos ou confusão, resultando em algo hilário. Pense em Sonhos de Uma Noite de Verão, Diário de Bridget Jones e Quanto Mais Quente Melhor.

A Comédia em publicidade é muitas vezes usada para mostrar a situação lamentável na qual o seu cliente pode se encontrar caso não use a sua marca / produto.

6. Tragédia

Esta é a história sem final feliz. Enquanto os outros arquétipos possuem heróis triunfantes e monstros derrotados, este terreno toma um rumo diferente e termina na perda ou morte. Pense em Macbeth, Romeu e Julieta e Breaking Bad.

Este tipo de trama é mais utilizada em táticas de choque na publicidade de caridade.

7. Renascimento

Nosso último tipo de trama, o Renascimento, traz o herói sucumbindo a um feitiço obscuro — seja ele o sono, doença ou encantamento — antes de quebrá-lo e conseguir a redenção. Pense em A Bela Adormecida, A Bela e a Fera e O Jardim Secreto.

Ao aplicar o Renascimento à publicidade, você pode interpretar “o feitiço obscuro” como sendo um distanciamento do público em relação à sua marca / produto. Ou talvez a sua marca seja uma forma de fazer as pessoas se reconectarem ou se apaixonarem novamente por algo.

Você não tem que usar esses arquétipos como um guia engessado, mas é interessante compreender os diferentes padrões que a narrativa pode seguir e quando e como podemos usá-los.

Claro, as histórias nem sempre usam uma trama bem definida. Elas podem ser uma combinação bem complicada de diferentes arquétipos.

Compartilhar agora!

Related Posts

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Posts Recentes

Devo escrever de forma pessoal?

Decidi escrever esse texto porque tive uma conversa interessante com um leitor aqui do blog. Basicamente ele me perguntou sobre...

O grande antagonista

Toda história tem um antagonista, alguém que se coloca contra os objetivos do herói e o atrapalha em seu caminho....

Ninguém vai salvar você

Quando a gente está criando uma história mais tradicional, uma das coisas mais importantes é pensar em um protagonista realmente...

A sua ideia não vale nada

Quando a turma que adora escrever ou contar histórias se encontra (seja pessoalmente ou na internet), não demora pra conversa...

Como escrever conteúdo legal para o meu blog?

Recebi essa pergunta sobre conteúdo faz uns dias lá no meu Instagram e achei muito pertinente. Só que a resposta...

Por que não escrevo mais sobre o ofício de escrever

Se você acompanha o meu trabalho, deve ter percebido que já faz um bom tempo que eu não escrevo um...

Sobre vaidade e gratidão no meio criativo

Eu adoro o trabalho criativo. Sério. Eu meio que sou imprestável para tudo o que não envolve usar a criatividade...

Homunk: seu estúdio virtual

Uma das coisas que eu mais gosto disso de ter um site é o contato com o público. Sério, é...