Como conectar os fatos da minha história?

Compartilhar agora!

Olha só, dizem por aí que a vida é mais estranha que a ficção por um motivo: a vida nem sempre faz sentido; já na ficção tudo precisa fazer sentido. E, pra fazer sentido, os acontecimentos devem estar conectados. É uma grande relação de causa e efeito.

Sabe quando você termina um bom livro e começa a refletir sobre a trama? Você vê que tudo o que ocorreu naquelas páginas não apenas é lógico como também inevitável. Uma coisa levou a outra, que levou a outra, que levou a outra até o único final possível.

Esse é o trabalho do bom escritor e, para chegar lá, só existem duas maneiras: muita reescrita ou então planejamento.

A reescrita (e aqui eu quero dizer muita reescrita mesmo) vai servir para aquele tipo de autor que curte soltar as palavras no papel e ver aonde elas vão levá-lo. Ele meio que vai descobrindo a história enquanto a escreve. Muita gente começou a se referir a esse tipo de escritor como “jardineiro” de ideias.

Se esse for o seu caso, você vai precisar fazer muitas leituras, revisões e alterações na sua história. Isso porque você invariavelmente vai se deparar com becos sem saída, vai abandonar linhas de histórias, vai criar trechos sem sentido e outras coisinhas do tipo. Sendo assim, precisará passar um pente fino no seu manuscrito e começar a conectar os diversos pontos soltos que irá encontrar dentro dele. É bem provável que você tenha que criar ou cortar capítulos também.

Sim, essa solução é trabalhosa, mas é necessária para garantir uma obra coesa, que vá gerar uma boa experiência de leitura para o seu leitor.

Já se você for um autor mais estratégico, poderá poupar um bom tanto de tempo e trabalho com planejamento. Estão chamando esse tipo de escritor de “arquiteto”.

O escritor arquiteto gasta mais tempo antes da escrita propriamente dita. Ele reflete muito sobre os possíveis caminhos da sua história, faz rascunhos, imagina direções e já vai dando forma ao que vai acabar virando sua trama. Para isso ele utiliza de seus conhecimentos sobre estrutura para construir uma grande linha narrativa que vai do Ponto A ao B, do B ao C e assim por diante.

Eu particularmente gosto de trabalhar com estrutura. Sempre divido a minha história em 3 Atos e, mais frequentemente do que não, estabeleço 5 pontos de virada dentro da história. Tudo isso antes de sentar para escrever a primeira linha.

Há vezes em que eu planejo mais, criando uma ideia inicial para cada capítulo do meu livro. Outras vezes eu apenas estabeleço os pontos cruciais e vou desenvolvendo o resto ao longo do caminho. Seja como for, pra mim, o planejamento se mostrou de imenso valor.

Ao planejar a sua história com antecedência você pode mexer na ordem de cenas, voltar em capítulos iniciais e colocar informações que vai precisar mais adiante, testar as relações de causa e efeito. Enfim, realmente diminui o esforço e é um jeito bem prático de assegurar que os fatos da sua história estejam interligados.

Para quem nunca experimentou, eu sugiro tentar e ver o que acontece.

Você pode aprender mais sobre estrutura no meu livro e ver um pouquinho dela sendo aplicada na série Escrevendo na Prática, aqui no site.

Por hoje é isso aí. Boa experimentação e continue criando! 😉

Compartilhar agora!

Related Posts

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Posts Recentes

Por que as pessoas leem?

Esqueça respostas bonitinhas como: estilo, conhecimento, bom-gosto literário, informação, criatividade e todas as demais que ficariam ótimas em um programa...

As vantagens de escrever sobre o que você sabe

Já falamos aqui sobre a importância de se escrever sobre aquilo que se ama, além de se escrever sobre aquilo...

A sua visão é única

De vez em quando eu encontro pessoas que querem escrever um livro, mas ficam com medo de começar porque acham...

Escreva além do que você sabe

Um conselho famoso encontrado em diversos livros e cursos de escrita criativa é o tal do escreva sobre o que você...

Sangrar na página

"Tudo o que você precisa fazer é sentar em frente à sua máquina de escrever e sangrar". Pesado, né? Essa...

Dá pra escrever com verdadeira indiferença?

"Não se pode escrever nada com indiferença". A frase é da Simone de Beauvoir e reforça aquilo que falamos no...

Crie com amor

Eu não vou mentir pra você: eu não amo tudo o que eu crio. Como eu trabalho com escrita (além...

Escrever é difícil

Escrever não é fácil. Pode vir a ser fácil... em alguns momentos. Mas nunca será totalmente livre de sofrimento. Sentar...