Como NÃO Engajar o Seu Leitor

Compartilhar agora!

No nosso último post sobre storytelling falamos um pouquinho sobre o começo das histórias e sobre algumas técnicas para engajar o leitor. Mas, como saber o que NÃO fazer é tão importante quanto saber o que fazer, hoje vamos dar uma olhada naquilo que você deve evitar ao iniciar o seu livro (na verdade você deve evitar essas coisas sempre, mas principalmente nos inícios).

 

  1. História Pregressa

Eu sei. Eu sei. Você investiu meses e meses na criação dos personagens. Criou toda uma árvore genealógica, intrigas familiares, acidentes, traumas e heranças que trouxeram suas criações até o momento no qual seu livro começa. É provável que também tenha investido mais um monte de tempo na construção do cenário, com leis da física próprias e toda uma sociologia que faz do seu mundo algo único e inovador.

Eu sei. Você sabe. Por enquanto, isso é o bastante.

Não seja daqueles escritores que vão com muita sede ao pote e vomitam informação já no primeiro capítulo do livro. Calma. Você terá centenas de páginas para deixar a sua criação brilhar. Lembre-se que você não está escrevendo uma enciclopédia, mas uma história.

Sendo assim, comece onde começa a sua história. Deixe o passado no lugar dele.

  1. Descrição e Mais Descrição

Se tem uma coisa que mata a vontade de ler é um livro com excesso de descrição!

Descrições são importantes, claro, mas há uma forma adequada de lidar com elas e isso normalmente envolve inseri-las no meio da ação. Aquele estilo antigo de descrição dura, loooooonga e puramente informativa é cada vez menos usada. E por um bom motivo: não é mais necessária.

Nós fomos criados na era da informação. Lidamos com excesso dela todos os dias. Qualquer dúvida que a gente possa vir a ter quanto a algo desconhecido, basta uma rápida consulta no Google e pronto. Não há mais razão para gastar três páginas descrevendo todos os detalhes de uma floresta de coníferas. Tenha em mente que as pessoas estão menos pacientes e um excesso descritivo provavelmente vai conseguir apenas irritá-las.

Eu já falei sobre esse assunto anteriormente e, se você quiser ver uma análise prática do assunto, é só clicar AQUI (recomendo a leitura)!

  1. Ação Sem Motivo

Começar com ação é sempre interessante. Isso movimenta a história e nos mostra coisas sobre os personagens (afinal, atos falam mais do que palavras). O ritmo acelerado pode empolgar o seu leitor e fazê-lo avançar pelas primeiras páginas de um jeito fluido e natural.

Porém, cuidado com a armadilha.

Alguns escritores, na ânsia de animar o leitor já no início da história, acabam criando situações cheias de movimento, mas esquecem de dar uma razão a elas.

Quantas vezes você já viu uma cena de ação acontecer e depois descobriu que ela em nada agrega à história? Não revela coisa alguma? Não desenvolve os personagens? Não tem a menor ligação com a trama? Frustrante, não é?

E o pior é que não há necessidade de fazer isso. Basta refletir um pouquinho sobre a sua estrutura que eu tenho certeza que ideias para cenas de ação relevantes vão aparecer.

E você, consegue lembrar de alguma vez em que pensou em ler um livro e desistiu por causa de um início problemático? O que chamou a sua atenção? Essa reflexão é uma ótima professora, então que tal uma visita à livraria? ;]


Para ficar por dentro das dicas, conteúdo, promoções e vantagens, assine a NANOLETTER. Aproveite, é grátis.

Compartilhar agora!

Related Posts

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Posts Recentes

A bestialidade imortal dos heróis: uma história de deuses, homens e feras

Texto publicado no Update Or Die. Esse texto fica muito mais legal se você seguir na leitura ouvindo essa música:...

IT: você vai flutuar também

Texto publicado no Update Or Die. Ainda lembro da careta de nojo que fiz quando li, pela primeira vez, que...

Como desenvolver enredo para tirinhas?

Recebi essa pergunta hoje cedo e a achei interessante demais. Por isso quis responder o mais rápido possível. Embora eu...

Processo Criativo: Paula Giannini

Olá!!! Hoje temos um texto diferente. Uma colaboração da atriz e dramaturga Paula Giannini (você deve conhecê-la da peça Casal...

Storyteller, você está olhando para o lugar errado?

Eu conheço um cara muito inteligente que já foi mágico profissional. Era bem bacana chegar no bar e vê-lo realizar...

Littlefinger: o cara em Game of Thrones

Texto publicado no Update Or Die. Mindinho. Littlefinger. The sneaky guy. Petyr Baelish é um dos meus personagens favorites em...

Os Defensores: porque heróis também precisam de alguém

Texto publicado no Update Or Die. Quando Demolidor, o primeiro seriado fruto da parceria Netflix-Marvel estreou, nós fomos apresentados a um...

Planeta dos Macacos: a vitória da humanidade

Texto publicado no Update Or Die. Quando os créditos finais de “Planeta dos Macacos: A Guerra” surgiram na tela, eu...