Como NÃO Engajar o Seu Leitor

Compartilhar agora!

No nosso último post sobre storytelling falamos um pouquinho sobre o começo das histórias e sobre algumas técnicas para engajar o leitor. Mas, como saber o que NÃO fazer é tão importante quanto saber o que fazer, hoje vamos dar uma olhada naquilo que você deve evitar ao iniciar o seu livro (na verdade você deve evitar essas coisas sempre, mas principalmente nos inícios).

 

  1. História Pregressa

Eu sei. Eu sei. Você investiu meses e meses na criação dos personagens. Criou toda uma árvore genealógica, intrigas familiares, acidentes, traumas e heranças que trouxeram suas criações até o momento no qual seu livro começa. É provável que também tenha investido mais um monte de tempo na construção do cenário, com leis da física próprias e toda uma sociologia que faz do seu mundo algo único e inovador.

Eu sei. Você sabe. Por enquanto, isso é o bastante.

Não seja daqueles escritores que vão com muita sede ao pote e vomitam informação já no primeiro capítulo do livro. Calma. Você terá centenas de páginas para deixar a sua criação brilhar. Lembre-se que você não está escrevendo uma enciclopédia, mas uma história.

Sendo assim, comece onde começa a sua história. Deixe o passado no lugar dele.

 

  1. Descrição e Mais Descrição

Se tem uma coisa que mata a vontade de ler é um livro com excesso de descrição!

Descrições são importantes, claro, mas há uma forma adequada de lidar com elas e isso normalmente envolve inseri-las no meio da ação. Aquele estilo antigo de descrição dura, loooooonga e puramente informativa é cada vez menos usada. E por um bom motivo: não é mais necessária.

Nós fomos criados na era da informação. Lidamos com excesso dela todos os dias. Qualquer dúvida que a gente possa vir a ter quanto a algo desconhecido, basta uma rápida consulta no Google e pronto. Não há mais razão para gastar três páginas descrevendo todos os detalhes de uma floresta de coníferas. Tenha em mente que as pessoas estão menos pacientes e um excesso descritivo provavelmente vai conseguir apenas irritá-las.

Eu já falei sobre esse assunto anteriormente e, se você quiser ver uma análise prática do assunto, é só clicar AQUI (recomendo a leitura)!

 

  1. Ação Sem Motivo

Começar com ação é sempre interessante. Isso movimenta a história e nos mostra coisas sobre os personagens (afinal, atos falam mais do que palavras). O ritmo acelerado pode empolgar o seu leitor e fazê-lo avançar pelas primeiras páginas de um jeito fluido e natural.

Porém, cuidado com a armadilha.

Alguns escritores, na ânsia de animar o leitor já no início da história, acabam criando situações cheias de movimento, mas esquecem de dar uma razão a elas.

Quantas vezes você já viu uma cena de ação acontecer e depois descobriu que ela em nada agrega à história? Não revela coisa alguma? Não desenvolve os personagens? Não tem a menor ligação com a trama? Frustrante, não é?

E o pior é que não há necessidade de fazer isso. Basta refletir um pouquinho sobre a sua estrutura que eu tenho certeza que ideias para cenas de ação relevantes vão aparecer.

 

E você, consegue lembrar de alguma vez em que pensou em ler um livro e desistiu por causa de um início problemático? O que chamou a sua atenção? Essa reflexão é uma ótima professora, então que tal uma visita à livraria? ;]


Para ficar por dentro das dicas, conteúdo, promoções e vantagens, assine a NANOLETTER. Aproveite, é grátis.

Compartilhar agora!

Related Posts

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Posts Recentes

Evan: storytelling bem feito com uma mensagem importante

Notou como um assunto ganhou grande destaque nas últimas semanas? Desde a estreia da série 13 Reasons Why, na Netflix,...

Afinal, o que diabos é Storytelling?

É engraçado pensar que falo sobre storytelling aqui há tanto tempo e eu nunca tenha parado pra explicar, direitinho, do...

Kealan Patrick Burke: o horror que vem de dentro

É provável que você ainda não tenha ouvido falar de Kealan. Até algumas semanas atrás eu não fazia ideia de...

13 Reasons Why: Inimigo ou Aliado?

Texto publicado no Update or Die. Esse não é um texto imparcial. Há mais ou menos uma semana eu escrevi...

13 Reasons Why: qualidade, coragem e empatia

Texto publicado no Update or Die. A partir do momento em que o primeiro episódio de 13 Reasons Why começa,...

A Fábula da Verdade e da História

Recentemente eu dei uma entrevista para o Cri.Ativos! Conversamos sobre escrita, fantasia, dicas para escritores, storytelling... Enfim, foi uma experiência...

Você caiu no conto do escritor-gênio?

Atenção: é provável que esse texto te ofenda ou acabe com os seus sonhos. Se for o caso, leia até...

O que escrever um livro tem a ver com autoridade?

Você já parou pra pensar na origem do termo Autoridade? Vem do Latim, Auctus, particípio passado de Augere, que quer...