Escrevendo na Prática Parte 12: Clímax e Finais

Compartilhar agora!

Esse post faz parte da série “Escrevendo na Prática”. Clique aqui para ler o post anterior.


Estamos chegando aos “finalmentes”!

Acredito que este seja o penúltimo post da série Escrevendo na Prática e por isso vou falar um pouco de como amarrei o final da trama de Mortos-Vivos & Dragões.

Na nossa conversa anterior você viu o processo que utilizei para escrever os capítulos da história. Eu fui seguindo aquele padrão, criando uma relação de causa-consequência até chegar ao grande momento do clímax.

Alcançar o clímax é sempre emocionante (pois é, sei que a frase ficou com duplo sentido, desculpe rsrsrs), mas também é onde aumentam as chances de escorregarmos e decepcionarmos o leitor. Afinal de contas, tudo o que construímos antes serviu de base para o que vem agora.

É no clímax que respondemos à questão: o personagem alcança seu objetivo ou falha miseravelmente? É nele que tudo finalmente se encaixa e podemos enxergar a trama toda, suas conexões e encadeamento de eventos.

Eu já falei isso antes, mas não custa repetir:

Ao terminar a sua história, o leitor precisa sentir que tudo ali não apenas fez sentido, mas também foi inevitável.

Para alcançar esse efeito, planejamento e atenção são fundamentais. Por essa razão eu insisto que você considere a ideia de planejar a sua estrutura, testar, experimentar… tudo isso antes de escrever pra valer. Afinal, você não quer ter o trabalho de escrever mais de 90% da obra só para chegar no grande momento e perceber que as coisas não fazem lá muito sentido, não é mesmo?

No caso de Mortos-Vivos & Dragões eu precisava de uma conclusão adequada para cada um dos personagens centrais e suas buscas. Precisava mostrar claramente ao leitor se aqueles personagens que ele passou a conhecer e a se identificar conseguiriam atingir seus desejos:

  • Gawrghonite conseguiria chegar à ilha ancestral de sua tribo e escapar da infestação zumbi?
  • Manara seria capaz de aprender mais sobre a natureza daquela praga?
  • Valentin acharia seu papel em um mundo onde a virtude parecia mais rara a cada instante?

Eu bati a cabeça para encontrar uma forma de responder a essas perguntas no mesmo momento do livro, com os nossos heróis alcançando a “hora da verdade” em instantes próximos.

Cada um desses clímax dizia respeito à jornada de cada personagem, mas, quando vistos em conjunto, eles também revelavam o clímax da própria história. O leitor, ao ler os três em sequência, conseguia tirar suas próprias conclusões sobre o que aconteceria com os personagens.

Passado o momento do clímax e adentrando no fechamento, eu optei por não usar um final expositivo em Mortos-Vivos & Dragões. O meu final fecha a trama, sim, mas não escancara o novo status quo. Deixei isso para a imaginação do leitor.

Finais desse tipo possuem a sua dose de risco, mas podem funcionar muito bem, principalmente em livros que fazem parte de uma série. Mortos-Vivos & Dragões não é parte de uma série, mas mesmo assim decidi assumir esse risco calculado já que eu não queria cair no lugar-comum das histórias de zumbi, nas quais se acha uma cura e tudo fica bem.

Não vou dar spoilers, mas o final da minha história respondia algumas perguntas enquanto dava espaço para se imaginar novos rumos (já tive leitores perguntando se teremos alguma continuação, mas por enquanto não está nos planos).

O mais importante mesmo era checar se as coisas faziam sentido, se contribuíam para a jornada dos personagens e também se seriam interessantes ao leitor. Eu me preocupo bastante em dar uma boa experiência para quem está lendo os meus livros e acho que o final da minha trama conseguiu alcançar esse objetivo.

Pra você ter uma ideia de como acho clímax e final importantes, eu nunca parto para a escrita sem ter uma boa ideia de como a trama acabará. Eu penso, rabisco, faço rascunhos até ter uma visão clara do grande momento da história e suas consequências para os personagens e para o cenário.

Uma vez com o clímax e final definidos, aí eu começo a inserir os passos que levarão a narrativa até ali. É meio como uma engenharia reversa.

Isso ainda gera uma sensação agradável no leitor, quando ele percebe que os primeiros capítulos já indicavam como a história iria acabar. Se você assistiu a série da HBO Westworld você entende bem o que quero dizer (e se você ainda não assistiu, por favor, corra assistir, mas confira tudo com muita atenção… dá pra aprender bastante sobre narrativa apenas assistindo a essa primeira temporada).

Aprendi essa técnica com um livro chamado O Poder do Clímax, de Luiz Carlos Maciel. O livro é voltado a roteiristas, mas storytellers de todos os tipos podem se beneficiar dos ensinamentos… então fica mais essa dica! 😉

Vale a pena gastar um tempo um pouco maior se dedicando ao final. Ele pode ser a chave que transformará um leitor ocasional em um verdadeiro fã.

Nesse meio temos um ditado que diz:

“Os primeiros capítulos vendem o livro. Os últimos capítulos vendem o próximo livro”.

Se você conseguir criar um clímax e uma conclusão realmente impactantes, o seu leitor ficará com a história na cabeça e sairá indicando o livro por aí. Mesmo que você tenha cometido erros ao longo do caminho, um bom final garantirá a sua redenção e trará os leitores para mais, quando você lançar o seu próximo livro.

Grande abraço e boa escrita!

Compartilhar agora!

Related Posts

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Posts Recentes

Por que as pessoas leem?

Esqueça respostas bonitinhas como: estilo, conhecimento, bom-gosto literário, informação, criatividade e todas as demais que ficariam ótimas em um programa...

As vantagens de escrever sobre o que você sabe

Já falamos aqui sobre a importância de se escrever sobre aquilo que se ama, além de se escrever sobre aquilo...

A sua visão é única

De vez em quando eu encontro pessoas que querem escrever um livro, mas ficam com medo de começar porque acham...

Escreva além do que você sabe

Um conselho famoso encontrado em diversos livros e cursos de escrita criativa é o tal do escreva sobre o que você...

Sangrar na página

"Tudo o que você precisa fazer é sentar em frente à sua máquina de escrever e sangrar". Pesado, né? Essa...

Dá pra escrever com verdadeira indiferença?

"Não se pode escrever nada com indiferença". A frase é da Simone de Beauvoir e reforça aquilo que falamos no...

Crie com amor

Eu não vou mentir pra você: eu não amo tudo o que eu crio. Como eu trabalho com escrita (além...

Escrever é difícil

Escrever não é fácil. Pode vir a ser fácil... em alguns momentos. Mas nunca será totalmente livre de sofrimento. Sentar...