Explorando Pensamentos ou Como Utilizar Personagens Pelo Lado de Dentro

Um dos grandes diferenciais da literatura é a possibilidade de se estar muito mais próximo dos personagens do que em outras mídias. Via de regra, filmes são ótimos para mostrar o que acontece do lado de fora do personagem. O livro é ótimo para mostrar o que acontece dentro.

E acredite quando falo que o lado de dentro é mais importante.

Veja bem, nós consumimos histórias porque queremos viver novas vidas, sentir novas coisas, experimentar novas situações. Ninguém lê A Guerra dos Tronos para saber o que Tyrion faz ou diz. Nós lemos para estarmos lá com ele e sentirmos o que ele sente naqueles grandes momentos.

Nós queremos uma grande experiência emocional e a melhor maneira de alcançá-la é por meio dos personagens.

Então por que tanta gente se recusa a explorar os aspectos internos de seus personagens e acaba escrevendo um “filme para ler”?

Medo? Insegurança? Desconhecimento? Talvez um pouco de tudo.

Sempre achei que o truque para explorar o interior de um personagem era me imaginar como ele — algo como uma mini sessão de RPG. Tento assumir o seu papel e identificar sentimentos e suas consequências. Então mostro tudo.

Compare:

A porta do elevador abriu e Fulano saiu para a garagem do prédio sem tirar os olhos da tela do iPhone. Mal deu dez passos quando foi jogado contra a parede. De repente sentiu a lâmina fria contra seu pescoço. Fulano teve medo.

A porta do elevador abriu e Fulano saiu para a garagem do prédio sem tirar os olhos da tela do iPhone. Mal deu dez passos quando foi jogado contra a parede. De repente sentiu a lâmina fria contra seu pescoço.

“Meu Deus”, pensou ele. “Eu vou morrer”.

Imediatamente lembrou da esposa e da filha pequena em casa, aguardando para jantar.

A boca ficou seca. Suas pernas perderam a força e o estômago embrulhou. Lutou contra a vontade de vomitar.

Entende o que estou dizendo? No primeiro exemplo eu apenas contei. No outro eu mostrei.

Mas tem mais ali, certo? Eu sei que você é uma pessoa atenta e percebeu que, além das reações físicas geradas por um sentimento, eu inseri algo mais no exemplo. Algo que faz toda a diferença:

“Meu Deus”, pensou ele. “Eu vou morrer”.

Pensamento. O personagem pensa.

Podemos usar o pensamento como algo instintivo e reflexivo. Isso gera identificação porque todas as pessoas fazem. E como todas as pessoas fazem, seu personagem também deve fazer.

Mas dá pra ir além.

É possível realizarmos uma análise mental, um monólogo interno ou até mesmo um fluxo de consciência.

A análise mental ocorre quando nós, como narradores, expomos o que o personagem pensa.

O monólogo interno surge quando o personagem exprime seus pensamentos de forma lógica, quase como se conversasse consigo mesmo. Em outras palavras, damos voz às análises, dúvidas e decisões de nosso personagem. Particularmente acredito que o monólogo interno deveria ser usado pelo menos uma vez por capítulo, mesmo que de forma curta.

Por fim, o fluxo de consciência escancara o próprio processo mental do personagem em uma série de pensamentos que se sobrepõem e também escorregam para os aspectos mais simbólicos do subconsciente. Pode ser desarticulado, ilógico e sem sentido aparente. Imagine mergulhar fundo na mente de um esquizofrênico e tentar perceber a realidade da mesma forma que ele a percebe. Desafiador, não? A obra O Som e a Fúria, do Falkner, é famosa pelo uso magistral desta técnica.

Saber como compartilhar a alma de nossas criações é uma perícia que todo escritor deveria se preocupar em desenvolver. Ela aproxima o leitor do personagem e aumenta a identificação; o que acaba por gerar maior emoção e envolvimento com a obra. No fim das contas, tudo fica muito mais real e compreensível.

Dê uma espiada na forma como George Martin consegue nos levar para dentro da mente de seus personagens a ponto de nos tornarmos cúmplices. Podemos até mesmo não torcer por aquelas figuras, mas nós certamente as compreendemos e nos identificamos com elas. E se você conseguir fazer isso nas suas histórias, eu garanto que os leitores voltarão para mais!

E aí, o que está pensando agora?

Compartilhar agora!

Related Posts

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Posts Recentes

Sobre vaidade e gratidão no meio criativo

Eu adoro o trabalho criativo. Sério. Eu meio que sou imprestável para tudo o que não envolve usar a criatividade...

Homunk: seu estúdio virtual

Uma das coisas que eu mais gosto disso de ter um site é o contato com o público. Sério, é...

Ninguém quer ler as suas m#rd@s

Em uma tradução livre, esse aí é o título do primeiro livro que li em 2018... e que livro sensacional....

Para criar uma história incrível em 2018…

Enfim chegamos ao último dia do ano! Não sei pra você, mas pra mim 2017 foi bastante desafiador. Como uma...

Vai escrever um livro em 2018?

Olha que iniciativa legal da Amazon! Pensando em quem tem o sonho de escrever um livro e já colocou esse...

The Black Monday Murders: todos louvem o deus dinheiro

Texto publicado no Update Or Die. 1929, quebra da bolsa de valores de Nova York, também conhecida como a Grande Depressão....

The Punisher: a melhor e mais ousada série da Marvel

Texto publicado no Update Or Die. Embora a série traga como título o codinome do anti-herói, ela poderia muito bem...

MINDHUNTER: QU’EST-CE QUE C’EST?

Texto publicado no Update Or Die. Sim, a série é sobre psycho killers. Mas, ao contrário do que diz a...