Formas de se contar uma história: narrativa linear

Toda história trata, fundamentalmente, da jornada de alguém em busca de algo que precisa/deseja e sobre como ele precisa superar adversidades para isso.

Essa, no fim das contas, é a história da nossa vida, por isso é espelhada com tanta força nas narrativas ficcionais.

Contudo, como você sabe muito bem, a mente humana é craque em criar inúmeras variações a partir de um ponto em comum. E graças aos deuses por isso. Afinal, é por causa dessa nossa habilidade que podemos desfrutar de tantas histórias diferentes, mesmo que elas tenham a mesma origem.

Uma das formas de diferenciação que encontramos está na ordem como decidimos contar os acontecimentos que compõem a narrativa.

Sim, pois não se engane, a maneira de contar faz toda a diferença.

Na verdade, faz tanta diferença que algumas histórias ganham fama e conquistam o posto de “obras-primas” não pela história em si, mas pela forma como essa história é contada.

A forma mais comum (note que eu não disse “pior”) de se contar uma história é com a narrativa linear.

Nesse tipo de narrativa nós relatamos os acontecimentos em uma ordem cronológica, na sequência em que acontecem. Ou seja, criamos uma ambientação com personagens vivendo em um status quo, esse status quo é abalado e o mundo passa a ficar em desequilíbrio, o personagem atua ativamente nesse mundo até estabelecer um novo equilíbrio.

Na narrativa linear, tudo o que o personagem vivencia nos é transmitido na exata ordem em que a vivência ocorre.

Em outras palavras: a história começa no ponto A, aí vai pro ponto B, aí pro C e assim por diante, até chegarmos no ponto Z, onde concluímos nossa trama.

Pode parecer simples, mas garanto que é bastante desafiador.

Recomendo a narrativa linear para quem está começando agora na escrita ou para quem gosta de histórias mais diretas, em que pode alcançar o leitor de forma mais ampla.

Não caia no erro de acreditar que, para ser boa, uma história precisa ser recheada de complexidade. Não é o caso. Inclusive, as histórias mais amadas da humanidade se enquadram nessa categoria (como muitos filmes da Disney, por exemplo).

Agora… se você já tem uma certa experiência com storytelling e está doido para se desafiar, saiba que temos outras formas para explorar, como a narrativa não-linear e a narrativa circular.

Mas essas a gente vai conferir nos próximos posts.

Compartilhar agora!

Related Posts

Posts Recentes

Formas de se contar uma história: narrativa circular

E por fim chegamos ao terceiro e último tipo de narrativa que abordaremos nessa semana. Chegou a hora de falarmos...

Formas de se contar uma história: narrativa não-linear

No post anterior vimos que a maneira como você escolhe contar a sua história pode fazer uma grande diferença no...

Formas de se contar uma história: narrativa linear

Toda história trata, fundamentalmente, da jornada de alguém em busca de algo que precisa/deseja e sobre como ele precisa superar...

Como usar símbolos em uma história: o mal

Todos nós enfrentamos um mal. Todos. Cada um. Sem exceção. Se você parar pra pensar, é quase inacreditável que um...

Como usar símbolos em uma história: objetivos

Um herói é chamado para uma missão dificílima. A virgem, jovem e bela princesa (antes de reclamar, leita tudo) foi...

Como usar símbolos em uma história: personagens

Uma boa história nunca é só uma história. Ela é algo pulsante, poderoso, que parece alcançar um espaço profundo dentro...

Como mostrar o passado do personagem por meio da ação

Um personagem é, acima de qualquer coisa, aquilo que ele faz. De nada adianta você construir um backstory cheio de...

Como mostrar o passado do personagem com caracterização

Há muitas formas de revelar detalhes importantes sobre a backstory do seu personagem – e nem todas elas precisam ser...