Isso não pode faltar na sua história de terror

Já parou pra pensar como as grandes histórias de terror parecem ter algo em comum?

Você pega o livro, inicia a leitura e nota que desde os momentos iniciais há uma certa sombra no ar.

Um alerta de perigo iminente.

Algo que você não consegue explicar muito bem, mas que te deixa com uma sensação de que tem algo errado ali. Algo estranho. Algo… deslocado.

A razão nem sempre é óbvia. Talvez seja o jeito como um personagem olhou para outro. Talvez seja um detalhe da ambientação. Fato é que as coisas não são como deveriam ser e você sente isso. Sente nas suas entranhas.

Essa sensação faz com que você siga na leitura acompanhado de uma tensão constante. Seus músculos estão contraídos. Suas pupilas dilatadas. Você sabe que, se parar de ler e abandonar os personagens, uma fatalidade pode ocorrer a qualquer instante.

Por que esse desconforto? Por que essa tensão?

Porque o escritor foi habilidoso em envolver você na narrativa, mas não te dar aquilo que você deseja.

Você quer que o personagem não entre naquela casa abandonada. Mas ele entra.

Você quer que o psicopata pare de cortar pequenos quadradinhos de carne da parte interna das coxas da vítima indefesa. Mas ele não para.

Você quer que aquele casal pare de discutir, pois já está vendo a ameaça de violência crescendo rapidamente. Mas a briga continua.

Você quer até mesmo que o herói morra, para não ter que continuar sofrendo ao testemunhar, impassível, como o monstro devora sua amada. Mas ele não morre…

O herói continua vendo cada detalhe dos dentes afiados da besta penetrado na pele da sua mulher, rasgando carne e esmagando os ossos.

O herói segue sendo obrigado a ouvir os gritos de dor e desespero que se misturam ao rasgar da carne e ao rebentar dos tendões.

Você, leitor, implora para que algo aconteça para acabar com aquilo. E, às vezes, até parece que esse algo virá. Parece que há uma luz de esperança… mas então as sombras retornam e o seu desejo é negado.

O terror se estende. O horror continua. O desconforto não cessa.

Compartilhar agora!

Related Posts

Posts Recentes

Isso não pode faltar na sua história de terror

Já parou pra pensar como as grandes histórias de terror parecem ter algo em comum? Você pega o livro, inicia...

Por dentro do conto: conflito único

Toda história precisa de conflitos e obstáculos. Precisa de adversidades às quais o protagonista deve superar para aprimorar a si...

Por dentro do conto: personagens

Ontem falamos sobre como o tamanho diminuto do conto é aquilo que o define em essência. Mas e quanto aos...

Por dentro do conto: tamanho

O conto é, inegavelmente, a mais famosa das narrativas curtas. Embora o advento dos e-books tenha gerado uma nova onde...

Formas de se contar uma história: narrativa circular

E por fim chegamos ao terceiro e último tipo de narrativa que abordaremos nessa semana. Chegou a hora de falarmos...

Formas de se contar uma história: narrativa não-linear

No post anterior vimos que a maneira como você escolhe contar a sua história pode fazer uma grande diferença no...

Formas de se contar uma história: narrativa linear

Toda história trata, fundamentalmente, da jornada de alguém em busca de algo que precisa/deseja e sobre como ele precisa superar...

Como usar símbolos em uma história: o mal

Todos nós enfrentamos um mal. Todos. Cada um. Sem exceção. Se você parar pra pensar, é quase inacreditável que um...