Pesquisa e revisão

Compartilhar agora!

Quando a gente diz que é escritor, na verdade estamos dizendo que fazemos muito mais do que escrever. Embora a escrita seja a alma do nosso ofício, ela é apenas uma das partes do processo e, se você quiser ter sucesso nesse meio, precisa se comprometer com as outras também.

A pesquisa é essencial a qualquer escritor que se preze. É por meio dela que você vai expandir seus horizontes, adquirir cultura, aprender sobre técnicas e estilo e também se familiarizar a respeito do assunto sobre o qual vai escrever.

Eu adoro a pesquisa. Enxergo essa etapa como uma oportunidade de aumentar o meu repertório e até me tornar uma pessoa mais divertida, com mais curiosidades sobre as quais falar em mesas de bar! 🙂

O que gosto de fazer, ao iniciar um novo projeto, é me cercar de conteúdo sobre o assunto que pretendo abordar. Eu vou absorvendo tudo, como uma esponja. Não faço filtros ainda, simplesmente absorvo. Após um tempo eu paro e começo a criar associações, usando tudo o que aprendi como matéria-prima. É aí que a magia da criatividade acontece.

Quando chego a uma ideia que me agrada, aí eu paro e penso:

Quais informações eu ainda preciso para poder falar sobre isso com propriedade?

Então vou atrás dessas informações, de um jeito mais assertivo e direto.

Já quanto à revisão, talvez seja a parte que menos nos agrada. Pelo menos, pra mim, é a que menos tenho prazer em fazer. Mas ela é necessária.

Ao terminarmos a primeira versão de um livro, ele é apenas isso, uma primeira versão, um rascunho, um diamante bruto. É imperativo que a gente faça a lapidação, que teste a trama, que retire tudo o que não é absolutamente necessário. Sem contar em conferir a gramática e a fluência do texto.

É a revisão que vai separar um trabalho amador de um trabalho profissional.

Por isso, caso você esteja pensando em deixar a revisão e a pesquisa pra lá e focar só na escrita, eu quero dizer que te entendo. Entendo mesmo. Mas esqueça. Você não vai avançar se não abraçar essas outras etapas do processo.

Aceite. Faça!

E nem é tão chato assim, gente! Qual parte do processo de escrita vocês menos gostam?

A post shared by Como Escrever (@como_escrever) on

Compartilhar agora!

Related Posts

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Posts Recentes

Por que as pessoas leem?

Esqueça respostas bonitinhas como: estilo, conhecimento, bom-gosto literário, informação, criatividade e todas as demais que ficariam ótimas em um programa...

As vantagens de escrever sobre o que você sabe

Já falamos aqui sobre a importância de se escrever sobre aquilo que se ama, além de se escrever sobre aquilo...

A sua visão é única

De vez em quando eu encontro pessoas que querem escrever um livro, mas ficam com medo de começar porque acham...

Escreva além do que você sabe

Um conselho famoso encontrado em diversos livros e cursos de escrita criativa é o tal do escreva sobre o que você...

Sangrar na página

"Tudo o que você precisa fazer é sentar em frente à sua máquina de escrever e sangrar". Pesado, né? Essa...

Dá pra escrever com verdadeira indiferença?

"Não se pode escrever nada com indiferença". A frase é da Simone de Beauvoir e reforça aquilo que falamos no...

Crie com amor

Eu não vou mentir pra você: eu não amo tudo o que eu crio. Como eu trabalho com escrita (além...

Escrever é difícil

Escrever não é fácil. Pode vir a ser fácil... em alguns momentos. Mas nunca será totalmente livre de sofrimento. Sentar...