Por que não escrevo mais sobre o ofício de escrever

Se você acompanha o meu trabalho, deve ter percebido que já faz um bom tempo que eu não escrevo um textão com técnicas de escrita criativa e storytelling, não é?

Talvez você esteja pensando algo como:

Ei, acho que o Nano desistiu dessa coisa de blog.

Ou talvez você pense algo ainda mais sério, como:

Acho que o Nano não escreve mais.

Se for esse o caso, calma, não é nenhuma dessas duas coisas.

Na verdade, não é nem como se eu tivesse parado de escrever sobre escrever. Está mais para a sensação de que meu trabalho foi feito. Mission Accomplhised. Entende?

Não foi uma desistência, mas um encerramento.

E, porra, como encerramentos são difíceis. A gente demora até entender que tem que largar o osso.

Essa luta começou pra mim quando terminei de escrever o Como Escrever Um Livro: O Guia Completo. Essa obra é o meu maior orgulho, mas confesso que tive sentimentos bem estranhos depois que ela foi publicada. Isso porque me parecia que não havia mais nada a dizer.

Bom, havia coisas a dizer, mas nada que precisasse ser dito por mim. Não em textões, pelo menos.

Veja, quando comecei a ensinar storytelling para outras pessoas, eu tinha dois objetivos: criar uma plataforma e também mostrar que o sonho de escrever um livro estava ao alcance de qualquer um disposto a estudar e a colocar a mão na massa.

O primeiro objetivo foi alcançado meio sem jeito, meio tímido, aos pouquinhos.

O segundo objetivo foi alcançado quando eu terminei a criação do meu Guia Completo e do meu Curso Online.

Agora, com os objetivos alcançados, o que eu deveria fazer?

Eu poderia continuar criando conteúdo para melhorar a minha plataforma, é verdade. Mas será que eu precisava produzir mais textos e mais livros pra isso? Será que eu deveria jogar ainda mais material nesse oceano superpopuloso que é a internet?

No fundo eu sabia que não. Eu sabia que tinha escrito uma obra incrível para escritores, um dos melhores livros do Brasil sobre o assunto. Eu também sabia que o meu curso online supriria qualquer demanda que o livro deixasse, que ele atenderia aquelas pessoas sem tempo para ler uma obra extensa.

Com isso eu estou dizendo que tratei de todos os assuntos possíveis ligados à escrita criativa de obras de ficção?

Não. Não estou dizendo isso.

O que estou dizendo é que eu já dividi os meus melhores conhecimentos sobre se tornar um escritor. Estou dizendo que se você fizer o que eu digo no meu livro e curso, você se tornará um escritor de verdade… e depois você descobrirá muitas coisas por si mesmo.

Sim, eu poderia falar sobre gêneros e sobre técnicas avançadas e sobre novas formas de estrutura. Eu poderia fazer análise de obras. Eu poderia criar um estilo novo.

Ou eu poderia confiar que, agora que você tem uma boa base, vai saber construir o seu próprio castelo.

Existe muito, MUITO, texto técnico bom sobre escrita por aí, no mundo virtual. Muita gente falando sobre isso e disposta a ensinar coisas mais específicas.

Mas eu não quero competir com essas pessoas.

Eu sinto que o meu trabalho foi feito.

E isso doeu por um tempo.

Eu passei um período perdido, sem saber mais quem eu era exatamente. Afinal, para muitos que me acompanham, eu sou definido como um escritor que fala de escrita. Como eu seria visto de agora em diante?

Quem eu sou de verdade?

Não sei se algum dia vou conseguir responder a essa pergunta de um jeito definitivo. Provavelmente não. Essa dúvida faz parte da minha angústia e da minha ansiedade. É ela que ajuda a criar essa sensação de aperto no peito que, quando insuportável, sobe para a minha cabeça e se espalha para as minhas mãos e aí me força a escrever.

Porque, o que quer que eu seja, eu também sou um escritor.

E agora preciso escrever sobre novas coisas.

É por isso que eu parei com os textões sobre escrita. Porque os meus livros técnicos já trazem o melhor que reuni ao longo dos anos de estudo. E porque existem outros assuntos sobre os quais eu preciso falar…

Novos medos que eu preciso enfrentar.

Dores a serem vomitadas.

Monstros a serem vencidos.

Pontos de vista a serem partilhados.

E é por isso que o meu tempo e energia de escrita serão agora dedicados a novas áreas. Então, não estranhe se encontrar textos malucos com a minha assinatura por aí. Sou eu, sim, buscando por algo que não sei bem o que é.

Mas é claro que os meus colegas escritores não serão abandonados. Além dos meus livros de escrita e do meu curso, eu também criei o Instagram @como_escrever, que traz pequenas dicas diárias sobre esse nosso ofício. Não deixe de acompanhar e fazer parte da comunidade… ela está tomando proporções maiores do que eu imaginava! =)

Bom, e caso você esteja por aqui apenas por causa dos textos técnicos, bem… nesse caso eu te desejo uma boa viagem e, talvez, um até breve. Foi muito bom ter você aqui e eu agradeço por todo o seu apoio e interesse nos meus ensinamentos. Tenha certeza que eu dei o meu melhor para auxiliar você nessa sua jornada que, eu sei, não é nem um pouco fácil.

E, pra quem fica comigo, vamos rumo a novos horizontes, até terras desconhecidas e sombrias, mas que, apesar dos seus perigos, pedem para ser exploradas. Vamos, pois, como Sêneca disse certa vez, a vida é breve, mas a arte… ah, essa é longa.

Um abraço, boa escrita e boa vida!

Compartilhar agora!

Related Posts

  1. Muito profundo o teu texto! Emocionante!
    Claramente uma nova fase se inicia!
    Boa sorte!
    Parabéns pela missão cumprida e por plantar tanta esperança nos futuros escritores!
    Meu reconhecimento e admiração!

  2. Nossa, que legal! Quero dizer, não que vc parou de escrever, mas sim que vc conseguiu completar um ciclo e reconheceu isso. Saber que chegou ao topo e tem que parar em alto nível! Vai pôr em prática o que nos ensina tão bem! É isso aí! Conte comigo! Acho realmente o seu trabalho incrível e até estou acompanhando o curso lá pelo Udemy. Parabéns! E espero ver muitas coisas loucas suas por aí! Rs!
    PS.: vc já pensou em ser mentor de novos escritores?
    Abs!
    Raquel

    1. Olá, Raquel! Muito obrigado pela sua mensagem. Fiquei muito feliz de ler as suas palavras… e mais feliz ainda em saber que você continua por aqui.
      Às vezes eu penso em voltar a mentorar novos autores, sim, mas para isso eu precisaria ter um número mínimo de alunos, já que teria que abrir mão de outros serviços que faço… mas vamos ver o que acontece no futuro! 😉
      Um grande abraço pra você e boa escrita.

  3. Feliz voltar a ler seus textos, já estava com saudades!1 Revejo sempre que posso suas dicas, que servem para mim tanto como escritora quanto preparadora de livros. parabéns por esta etapa vencida e que venham mais desafios, a serem vencidos pela sua enorme capacidade!! Só falta você aceitar nossa proposta de publicar seu livro:) Abraços!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Posts Recentes

Por que não escrevo mais sobre o ofício de escrever

Se você acompanha o meu trabalho, deve ter percebido que já faz um bom tempo que eu não escrevo um...

Sobre vaidade e gratidão no meio criativo

Eu adoro o trabalho criativo. Sério. Eu meio que sou imprestável para tudo o que não envolve usar a criatividade...

Homunk: seu estúdio virtual

Uma das coisas que eu mais gosto disso de ter um site é o contato com o público. Sério, é...

Ninguém quer ler as suas m#rd@s

Em uma tradução livre, esse aí é o título do primeiro livro que li em 2018... e que livro sensacional....

Para criar uma história incrível em 2018…

Enfim chegamos ao último dia do ano! Não sei pra você, mas pra mim 2017 foi bastante desafiador. Como uma...

Vai escrever um livro em 2018?

Olha que iniciativa legal da Amazon! Pensando em quem tem o sonho de escrever um livro e já colocou esse...

The Black Monday Murders: todos louvem o deus dinheiro

Texto publicado no Update Or Die. 1929, quebra da bolsa de valores de Nova York, também conhecida como a Grande Depressão....

The Punisher: a melhor e mais ousada série da Marvel

Texto publicado no Update Or Die. Embora a série traga como título o codinome do anti-herói, ela poderia muito bem...