Prólogos: usar ou não usar?

Essa é uma ótima pergunta. Prólogos e introduções realmente são uma questão polêmica. Tem gente que adora fazer e tem gente que odeia.

Via de regra os prólogos não são recomendados pois a grande maioria dos autores acaba utilizando esse artifício para soltar um monte de informações sobre o cenário ou personagens. Em uma obra didática, não há problema nisso; já em uma obra de ficção, o buraco é mais embaixo.

Veja, informação não é uma coisa dinâmica, não tem emoção, não tem movimento. Isso cria o risco de o leitor se entediar logo no início do seu livro (e é por essa razão que temos tantos leitores que pulam o prólogo). Você já deve ter ouvido o termo “show don’t tell“, que significa que os momentos mais importantes de um livro devem ser mostrados ao invés de contados, não é? Pois então, o começo do livro é um desses momentos importantes e utilizar um prólogo descritivo é cair na armadilha do contar ao invés de mostrar.

Por outro lado, existe uma forma de usar o prólogo e ainda assim manter o leitor atento! Basta você passar as informações iniciais por meio de história, não por meio de informação. Por exemplo: ao invés de DIZER que o seu livro se passa em um reino fantástico que foi tomado por elfos fascistas, MOSTRE os elfos tomando o poder… de repente até mesmo pelo ponto de vista do bondoso rei deposto que morre ao final do prólogo.

Um cara que é craque nisso é o George Martin, do Game of Thrones. Ele sempre utiliza um prólogo para informar o leitor sobre certos aspectos da sua trama, mas ele faz isso por meio da ação, mostrando coisas acontecendo. Todos os livros da série começam assim. Caso não conheça os livros dele, vale a pena dar uma estudada nos prólogos.

Dito isso tudo, se ainda assim a sua obra necessitar de um prólogo informativo, procure torná-lo o mais rápido e direto possível, além de inserir um pouco de suspense no meio dessas informações, ok?

Lembre-se que o leitor ama um livro não pelo que sua cabeça aprende, mas pelo que o seu coração sente ao navegar pelas páginas.

Compartilhar agora!

Related Posts

Posts Recentes

Formas de se contar uma história: narrativa circular

E por fim chegamos ao terceiro e último tipo de narrativa que abordaremos nessa semana. Chegou a hora de falarmos...

Formas de se contar uma história: narrativa não-linear

No post anterior vimos que a maneira como você escolhe contar a sua história pode fazer uma grande diferença no...

Formas de se contar uma história: narrativa linear

Toda história trata, fundamentalmente, da jornada de alguém em busca de algo que precisa/deseja e sobre como ele precisa superar...

Como usar símbolos em uma história: o mal

Todos nós enfrentamos um mal. Todos. Cada um. Sem exceção. Se você parar pra pensar, é quase inacreditável que um...

Como usar símbolos em uma história: objetivos

Um herói é chamado para uma missão dificílima. A virgem, jovem e bela princesa (antes de reclamar, leita tudo) foi...

Como usar símbolos em uma história: personagens

Uma boa história nunca é só uma história. Ela é algo pulsante, poderoso, que parece alcançar um espaço profundo dentro...

Como mostrar o passado do personagem por meio da ação

Um personagem é, acima de qualquer coisa, aquilo que ele faz. De nada adianta você construir um backstory cheio de...

Como mostrar o passado do personagem com caracterização

Há muitas formas de revelar detalhes importantes sobre a backstory do seu personagem – e nem todas elas precisam ser...