Via Negativa e o Poder do Não

Texto publicado no site Update Or Die


A não ser que alguém tenha verdadeiramente o poder de dizer não, nunca terá o real poder de dizer sim. – Dan Millman

Já estamos em 2016 há quase 10 dias.

Nesse pouco tempo, muita gente já viu que aqueles montes e montes de resoluções de Ano Novo não serão alcançados. Promessas como passar a praticar exercícios físicos ou ler todos os dias já foram quebradas e os velhos padrões iniciaram seu trabalho de repetição.

Que merda, né?

Por que fazemos isso? Por que, ano após ano, fazemos o compromisso de mudar, de nos tornarmos melhores e, por algum defeito fundamental em nosso DNA, falhamos miseravelmente?

Em primeiro lugar, porque mudar é difícil. Não se vence anos de um comportamento automatizado e de maldosas sinapses viciadas assim, de uma hora para outra. É necessário ter uma força de vontade tremenda e um foco de monge budista para prometer algo a si mesmo e simplesmente manter o compromisso sem nenhum escorregão.

Afinal de contas, nós já nos enchemos tanto com preocupações, obrigações e auto exigências que é um milagre conseguirmos viver em um nível funcional. Imagine, então, como somar novas obrigatoriedades pode fazer muito mais mal do que bem à sua já complexa existência.

Mas então por que insistimos em sobrecarregar nosso sistema com mais informação, mais promessas, mais coisas para falharmos e ficarmos frustrados?

Ora, porque é assim que as coisas funcionam. Porque essa é a forma de avançar, não é?

Não é?

E se eu te disser que existe outro caminho?

Conheça a Via Negativa.

A Via Negativa é um conceito usado na teologia cristã que tenta explicar a essência de Deus ao focar naquilo que ele NÃO é – já que entender as qualidades de uma divindade todo-poderosa estaria muito além da capacidade de criaturas limitadas como nós.

Por essa lógica, nós também podemos começar a pensar em formas de nos tornarmos melhores não através do acréscimo de hábitos, mas pela subtração. Ao invés de focar nas coisas que você tem que fazer, comece a pensar no contrário, no que poderia deixar de fazer. Pergunte a si mesmo:

O que eu posso não fazer e evoluir como pessoa?

Faça o exercício. Mentalize, agora mesmo, alguns hábitos que você poderia simplesmente abandonar. Alguns defeitos que você sabe que tem e que te acompanham há um bom tempo. Foque em minimizar os seus pontos fracos.

Por exemplo:

Digamos que você queira cuidar mais da sua saúde e, pra isso, você pensou em caminhar, praticar natação, fazer musculação ou qualquer coisa do tipo. Só tem um probleminha… você simplesmente não consegue tomar essa atitude de forma ativa.

Mmmmmm, será que existe algo que você pode deixar de fazer e que tenha efeitos benéficos para a saúde?

Parar de fumar, diminuir a frequência daquela cervejinha, parar de comer aqueles dois pacotes de bolacha no trabalho, largar o refrigerante. Enfim, eu tenho certeza que se você fizer uma análise atenta irá encontrar um monte de hábitos ruins que poderia abandonar.

E isso se estende a todas as áreas da sua vida.

Quer mais tempo pare se divertir com os bons amigos? Pare de sair com gente chata e que só reclama. Você terá mais tempo e mais energia para quem realmente importa.

Quer ler mais ao longo do ano?  Pare de insistir em livros ruins ou com histórias que não te agradam. Não é porque funciona para os outros que vai funcionar para você. Leu um quarto do negócio e não engrenou? Largue e comece outro.

Quer que aquele relacionamento casual cresça em algo mais sério? Pare de perder tempo trocando nudes com outrXs pretendentes no Snapchat.

Quer emagrecer? Diga não para aquele bolo de churros que está te chamando.

O não tem poder.

Muito se fala sobre a positividade e sobre como o sim é maravilhoso, querido e alegre, mas o verdadeiro poder está no não.

Quem consegue dizer não é quem está no controle.

É só prestar atenção em volta:

Quando o seu chefe diz não para o seu aumento. Quando ela diz não para a sua proposta de pagar um drink. Quando sua mãe dizia não para a manha que você fazia quando criança.

O não é o caminho. A Via Negativa.

Então, rasgue aquela sua listinha de resoluções para 2016 e pense em tudo o que você pode reduzir da sua vida. Pense na pessoa que você NÃO quer se tornar.

Agora vai lá e faz. Ou melhor, não faz.

Liberador… não?

Compartilhar agora!

Related Posts

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Posts Recentes

Devo escrever de forma pessoal?

Decidi escrever esse texto porque tive uma conversa interessante com um leitor aqui do blog. Basicamente ele me perguntou sobre...

O grande antagonista

Toda história tem um antagonista, alguém que se coloca contra os objetivos do herói e o atrapalha em seu caminho....

Ninguém vai salvar você

Quando a gente está criando uma história mais tradicional, uma das coisas mais importantes é pensar em um protagonista realmente...

A sua ideia não vale nada

Quando a turma que adora escrever ou contar histórias se encontra (seja pessoalmente ou na internet), não demora pra conversa...

Como escrever conteúdo legal para o meu blog?

Recebi essa pergunta sobre conteúdo faz uns dias lá no meu Instagram e achei muito pertinente. Só que a resposta...

Por que não escrevo mais sobre o ofício de escrever

Se você acompanha o meu trabalho, deve ter percebido que já faz um bom tempo que eu não escrevo um...

Sobre vaidade e gratidão no meio criativo

Eu adoro o trabalho criativo. Sério. Eu meio que sou imprestável para tudo o que não envolve usar a criatividade...

Homunk: seu estúdio virtual

Uma das coisas que eu mais gosto disso de ter um site é o contato com o público. Sério, é...